Sociedade
05 Dezembro de 2021 | 08h53

Famílias vulneráveis no Dande beneficiam de kits profissionais

Um total de 120 pessoas, entre ex-militares e membros de famílias vulneráveis, que frequentaram cursos de corte e costura, serralharia, recauchutagem, mecânica, culinária e alfaiataria, beneficiou, quarta-feira, de kits profissionais para o fomento do auto-emprego e melhoria do sustento familiar, no âmbito do Programa de Combate à Pobreza, em curso no município do Dande, província do Bengo.

Os ex-militares, integrados em cooperativas agro-pecuárias, receberam moageiras e motorizadas para dinamizar a actividade agrícola nas localidades de Quicabo, Úcua, Mabubas, Barra do Dande e Caxito.


Em declarações à imprensa, a governadora do Bengo, Mara Quiosa, explicou que, na província, vários meios e equipamentos são distribuídos às famílias carenciadas, com o objectivo de reduzir o índice de pobreza no seio da população.


"Temos de incentivar as famílias a trabalhar. Não podemos continuar a dar peixe sem ensinar a pescar”, referiu a governadora, que acredita que os kits profissionais distribuídos vão ajudar a melhorar as condições de vida dos beneficiários.


Mara Quiosa disse que o Executivo angolano continua preocupado com a problemática do desemprego e, como prova disso, destacou os inúmeros concursos públicos promovidos todos os anos, no país, e na província, em particular.


O administrador municipal do Dande, Cândido Cadifete, explicou que, além dos ex-militares e famílias vulneráveis, o programa, também, beneficia jovens empreendedores. Referiu que os 120 beneficiários poderão empregar, de forma directa, pelo menos 240 pessoas, sendo 156 jovens, 56 ex-militares e 28 mulheres.


"Isso vai permitir que haja um aumento significativo da renda familiar e proporcionar o desenvolvimento local, combatendo, deste modo, a fome e a pobreza no seio das famílias”, concluiu.


Beneficiários prometem trabalho


Uma das beneficiárias, Ana Dias, de 22 anos, que recebeu equipamentos para a actividade de corte e costura, disse que agora está em condições de mostrar tudo o que aprendeu. "Vou criar um espaço para trabalhar na Centralidade do Capari, onde moro e sei que faltam serviços deste tipo”, acrescentou.


Satisfeita por ter recebido um kit de culinária, Cecília da Conceição, 19 anos, moradora do bairro Social (Caxito), promete montar uma cozinha e empregar alguns jovens.

Para o ex-militar Manuel Kissembe, de 53 anos, que recebeu uma motorizada de três rodas, em nome da Cooperativa "Boa Vontade”, o meio vai ajudar a escoar os produtos agrícolas produzidos pela organização, como batata-doce, mandioca, milho e outros para os locais de comercialização.

Fonte: JA