Política
05 Novembro de 2022 | 13h18

Consórcio investe USD 400 milhões no Corredor do Lobito

O consórcio Trafigura, Vecturis e Mota Engil anunciou, esta sexta-feira, um investimento na ordem de 400 milhões de dólares americanos (USD) no Corredor do Lobito, na província de Benguela.

O investimento visa, entre outros aspectos, operacionalizar a infra-estrutura, assegurar os serviços ferroviários e de logística, afirmou à imprensa Alexandre Canas, da Mota Engil, no final de uma audiência com o Presidente da República, João Lourenço.

No entender de Alexandre Canas, o projecto vai elevar o volume de negócios e as trocas comerciais no troço ferroviário Lobito (Benguela)/Luau (Moxico) e República Democrática do Congo (RDC).

Para formalizar o arranque do projecto está prevista para hoje, em Luanda, a assinatura de um acordo para a concessão do referido corredor, por 30 anos.

A expectativa é de que o projecto gere mil e 600 empregos directos para os jovens angolanos.

O concurso para a concessão da exploração do Corredor do Lobito foi lançado em Setembro do ano passado.

A nova concessionária assegurará o transporte de mercadorias, como minérios e combustíveis, e a gestão do terminal mineiro do porto do Lobito.

A reactivação do Corredor do Lobito insere-se nos esforços do Executivo angolano de reforçar a integração regional e materializar os compromissos da cooperação da sub-região.

O projecto tem como foco a interligação Atlântico-Índico, com a conexão da via-férrea ao Porto de Dar-es-Salam, na Tanzânia. 

O corredor do Lobito é formado pelo porto da mesma cidade e pelos caminhos-de-ferro de Benguela. 

As duas estruturas estendem-se por mais de mil e 300 quilómetros. O percurso é a rota de exportação mais rápida para o cobre, cobalto e outros minérios para países como a Zâmbia ou a República Democrática do Congo (RDC).

Fonte: Angop