COVID-19
13 Maio de 2022 | 09h07

50% dos sobreviventes ainda tem sintomas persistentes após 2 anos

Um novo estudo sobre Covid longa descobriu que os sobreviventes são menos saudáveis do que a população em geral, mesmo dois anos após a infeção inicial pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, causador da doença da Covid-19.

Um novo estudo publicado no The Lancet Respiratory Medicine encontrou evidências de que uma proporção considerável de pessoas que recuperaram da Covid-19 apresentam pelo menos um sintoma persistente principal, até dois anos após terem sido infetadas.

Os investigadores apuraram que os sintomas predominantes incluíam efeitos a longo prazo em vários órgãos do corpo.

Embora a maioria dos sobreviventes da Covid-19 houvesse regressado ao trabalho desde que adoeceu, metade ainda sofria de fadiga, concluiu o estudo de acompanhamento. 

"Independentemente da gravidade inicial da doença, os sobreviventes da Covid-19 apresentaram melhorias longitudinais na saúde física e mental, com a maioria retornando ao seu trabalho original dentro de dois anos; no entanto, a carga de sequelas sintomáticas permaneceu bastante alta", pode ler-se no estudo.

Leia Também: Coronavírus: Dois sintomas graves que "devem ser levados muito a sério"

"Os sobreviventes da Covid-19 tinham um estado de saúde notavelmente mais deteriorado do que a população geral passado dois anos". 

"Os resultados do estudo indicam que há uma necessidade urgente de explorar a patogénese da Covid longa e desenvolver intervenções eficazes para reduzir o risco da condição". 

A coautora do estudo Rachel Evans do Instituto Nacional de Saúde e Cuidados de Pesquisa explicou: "a recuperação limitada de cinco meses a um ano após a hospitalização relativamente a saúde mental, capacidade física, comprometimento de órgãos e qualidade de vida é impressionante". 

"Sem tratamentos eficazes, a Covid longa pode tornar-se uma nova condição duradoura altamente prevalente", alertou o outro autor da pesquisa, Christopher Brightling, da Universidade de Leicester.

Os sintomas mais comuns de Covid longa incluem: fadiga, dor muscular, distúrbios do sono, diminuição da performance física e falta de ar. 

Fonte: Lifestyle