COVID-19
13 Abril de 2022 | 11h11

Covid-19. Xangai ameaça 'castigar' quem não cumprir a ordem de isolamento

As autoridades apelaram também a que os residentes, cada vez mais frustrados com as medidas rigorosas devido à estratégia de 'zero casos' da China, não difundissem informação falsa.

As autoridades de Xangai avisaram esta quarta-feira que quem não cumprir a quarentena imposta de modo a conter os casos de Covid-19 na 'capital' financeira da China será alvo de "medidas estritas”, apelando a que os residentes protejam a sua cidade do vírus.

"Aqueles que não cumprirem o estipulado serão alvo de medidas estritas de acordo com a lei dos órgãos de segurança pública”, advertiram as autoridades, em comunicado citado pela Reuters.

"Se constituir um crime, [os habitantes] serão investigados de acordo com a lei”, complementou o departamento da polícia local, ao mesmo tempo que apelou aos cidadãos para "lutar contra a epidemia com um só coração”, tendo em vista "uma vitória antecipada”.

As autoridades apelaram também a que os residentes, cada vez mais frustrados com as medidas rigorosas devido à estratégia de 'zero casos' da China, não difundissem informação falsa ou recorressem a passes e certificados falsos para puderem sair de casa.

As restrições incluem o isolamento de todos os infetados em instalações designadas e o bloqueio de cidades, incluindo o encerramento de supermercados. A população de Xangai reclama, agora, a falta de acesso a alimentos e medicamentos, ainda que as autoridades garantam estar a fornecer suprimentos diários aos moradores – a preços crescentes, conforme diz a Reuters.

Foi também proibida a circulação de veículos, exceto aqueles envolvidos na prevenção da pandemia ou de transporte de doentes.

A cidade reportou 25.141 novos casos assintomáticos de Covid-19 na terça-feira, face aos 22.348 registados no dia anterior, e os casos sintomáticos aumentaram de 994, na segunda-feira, para 1.189, na terça-feira.

De acordo com o estipulado pelo governo, quem testou positivo à Covid-19 foi levados para instalações temporárias de quarentena, mesmo os casos assintomáticos.

Entretanto, o governo aliviou as restrições, permitindo que moradores de bairros que não registam casos há, pelo menos, duas semanas sejam autorizados a sair das suas casas, podendo deslocar-se para qualquer outra área que não tenha registado casos novos durante o mesmo período.

Além disso, pessoas em áreas sem novos casos na semana passada também podem sair, mas não podem deixar os seus bairros. Contudo, estão impedidos de sair de casa todos os moradores que estejam em "áreas de quarentena", que tiveram infeções na semana passada.

Fonte: NM