Sociedade
24 Março de 2022 | 14h57

Descarga eléctrica mata mãe e filho em Catabola

Dois membros da mesma família (mãe e filho) morreram no município de Catabola, província do Bié, vítimas de descarga eléctrica.

Segundo apurou hoje a ANGOP, o facto ocorreu na noite de terça-feira, na aldeia de Hungulo, comuna de Caiuera, quando as vítimas, de 34 e 12 anos, que se encontravam dentro da sua residência, foram atingidas pela descarga eléctrica, morrendo no momento.

O porta-voz do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros, o sub-inspector bombeiro Eurico Raul Ndavoca, que falava das consequências provocada pelas fortes chuva que têm se abatido nesta província, informou que as quedas pluviométricas danificaram ainda alguns campos agrícolas com diversas culturas, cujos danos estão por se avaliar.

Várias localidades da província do Bié têm sido alvo de várias descargas eléctricas nos últimos tempos, o que tem provocado várias mortes.

Em Setembro do ano passado, cinco pessoas, entre as quais quatro da mesma família, morreram em consequência deste fenómeno.

O segundo maior produtor de batata-rena e milho do município do Chinguar, Marques Elundula, também acabou por falecer por causa de uma descarga atmosférica.

No total, em 2021, morreram 37 pessoas e 27 ficaram feridas.

Para garantir a segurança das populações das descargas eléctricas e diminuir as mortes e feridos causado por este fenómeno natural, o comandante provincial do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros, o comissário bombeiro João Ricardo Tchissengue, disse ser necessário a instalação de perto de dois mil para-raios.

Actualmente, a província do Bié dispõe de cerca de 50 para-raios, instalados nas centralidades do Cuito e Andulo, em alguns fogos habitacionais, instituições governamentais e em locais de maior concentração populacional, principalmente escolas, mercados e campos desportivos.

João Ricardo Tchissengue defendeu a necessidade de o governo investir mais nesses equipamentos, de forma a cobrir uma maior extensão dos nove municípios, sobretudo as zonas mais vulneráveis.

Chuva faz estragos em Cabinda © Fotografia por: ANGOP/Cabinda

Fonte: ANGOP