Cultura
07 Março de 2022 | 09h14

Calabeto é figura de cartaz do concerto do Dia da Mulher

“Kota Bwé”, como é conhecido Calabeto, é um dos músicos de cartaz do concerto em celebração ao Dia da Mulher, que se realiza amanhã, a partir das 11h00, no Centro Recreativo e Cultural Kilamba, em Luanda, e promete interpretar sucessos como “Kamba Dyami”, “Sumba Ló Nguingue”, “Tussocana Kiebi” e “Ngolo Yami José”, que o tornaram num dos mais respeitados cantores angolanos.

Com o suporte instrumental dos Jovens do Prenda, para além de Calabeto, vão actuar, igualmente, amanhã, no palco do Centro Recreativo e Cultural Kilamba,  os músicos Dom Caetano e Augusto Chacaya.

O espectáculo de amanhã marca o início oficial da programação deste espaço de promoção e divulgação da música angolana. 

O responsável do espaço, Estevão Costa, disse que se pretende com o evento, proporcionar aos fãs da música angolana uma jornada memorável ao melhor dos ritmos nacionais.

Estevão Costa frisou que a intenção é assinalar o Dia Internacional da Mulher de forma especial, com um dos melhores agrupamentos da praça musical angolana.

Para esta edição, o convidado especial é o músico Calabeto, que ao contrário de Dom Caetano e Augusto Chacaya nunca esteve ligado aos Jovens do Prenda.

António Miguel Manuel Francisco "Calabeto” nasceu na província de Luanda, a 3 de Abril de 1945. Iniciou a sua actividade na Missão Evangélica, fazendo parte do coro daquela congregação religiosa.

Em 1958, fundou a Turma Rio de Janeiro. Com uma carreira iniciada na década de 1950, Calabeto possui um repertório no qual se destacam vários temas de sucesso, como "Nzambi”, "Ngolo Yami”, "Avante o Poder Popular”, "Tussocana Kiebi”, "Camarada Presidente”, "Nguami Maka”, "A Vitória é Certa”, "Ngui dia ngui nua” e "Divórcio”.

Os Jovens do Prenda

O conjunto Os Jovens do Prenda, criado em 1968, vai poder, depois de dois adiamentos no final do ano passado, no âmbito das celebrações dos seus 53 anos, realizar o espectáculo, para o qual prepararam um reportório com sucessos como "Manhã de Domingo”, "Kandima”, "Samba Samba”, "Nova Cooperação”, "Makamé”, "Ngongo” e "Ilha Virgem”, alguns deles nas vozes de Augusto Chacaya e Dom Caetano. 

Actualmente, Didi da Mãe Preta, Augusto Chacaya e António Imperial "Baião”, os "guardiões” da mística da orquestra, têm passado o testemunho a Zé Luís (viola ritmo), Cláudio Clic Clac (solo), Elvy (contra-solo), João Daloba (bateria), Esteves Bento (tambores), Eurico Sandombe (teclado), Eufraim La Trompa, Gabriel e Lukeny (sopros) e os vocalistas, Tony do Fumo Filho e Miau. 

Os Jovitos também são considerados como uma das escolas de referência nacional para os executantes da música angolana, com nomes como Kintino, Zecax, Mingo Canhoto, Twely Bamba, Romão Teixeira, Julinho Vicente, Joca e Dom Pirakanda, a terem passagem pelo conjunto, que tem no mercado os discos "Mutidi”, "Samba-Samba”, "Kudicola Kwetu” e "Iweza”.

 

Fonte: JA