Economia
06 Março de 2022 | 09h36

FMI alerta para perigos do conflito na Ucrânia

O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou este sábado que uma escalada do conflito na Ucrânia terá consequências económicas “devastadoras” a nível mundial, considerando que, além do conflito em si, as sanções contra a Rússia “terão também um impacto substancial na economia global e nos mercados financeiros, com efeitos colaterais para outros países”

Mesmo que as previsões permaneçam sujeitas a uma "incerteza extraordinária”, "as consequências económicas já são muito graves”, observa a instituição, advertindo para que a subida dos preços da energia e das mercadorias em geral, com o petróleo a aproximar-se agora dos 120 dólares por barril, está a aumentar a pressão inflacionista que o mundo já estava a sofrer à medida que a pandemia emergia.

Assim, o fundo prevê que "o salto nos preços terá efeitos a nível mundial, particularmente nas famílias de baixos rendimentos para as quais os gastos alimentares e energéticos representam uma proporção maior” dos seus orçamentos.

Quanto à Ucrânia, o FMI considera que é "já claro” que o país enfrentará custos "significativos” para reiniciar a economia e reconstruir edifícios e instalações destruídas ou danificadas.

O Fundo adianta que a assistência financeira de emergência solicitada pela Ucrânia, que o FMI já tinha anunciado em 25 de Fevereiro, ascende a 1,4 mil milhões de dólares. O pedido poderá ser formalmente apresentado ao Conselho de Administração do FMI "já na próxima semana”, afirma o FMI em comunicado.

Os países de laços estreitos com a Ucrânia e a Rússia estão "particularmente em risco de escassez e de problemas de abastecimento”, refere também.

O Fundo indica que a Moldávia, por exemplo, já tinha solicitado uma recalibração e um aumento do plano de apoio que já recebe daquela instituição, para "fazer face aos custos da crise actual”. O FMI diz já ter iniciado discussões com o governo moldavo sobre este assunto.

Com a guerra na Ucrânia, as principais matérias-primas ligadas ao Leste Europeu estão cotadas em alta no mercado internacional: o milho, soja e trigo, três culturas que são comuns na região, já estão perto de atingir marcas históricas por causa do conflito. 

Além dos grãos, o barril do petróleo chegou a bater 119,84 dólares na quinta-feira. De acordo com o "Financial Times” de sexta-feira, o índice S&PGSCI, barómetro agregado do preço das matérias-primas mundiais, ascendeu 18 por cento na semana que encerrou ontem, O maior aumento registado nos últimos 50 anos.

Fonte: JA