Sociedade
28 Fevereiro de 2022 | 17h14

Governadora defende reforço das acções de segurança pública

A governadora da província do Huambo, Lotti Nolika, defendeu hoje, segunda-feira, a necessidade do reforço das acções de policiamento nas comunidades, para garantir maior sentimento de segurança à população.

A governante, que falava durante o acto provincial comemorativo ao 46º aniversário da Polícia Nacional, que hoje se assinala, mostrou-se preocupada com a tendência de aumento de casos de vandalização dos bens públicos.

Referiu que o combate à criminalidade e ao vandalismo devem ser feitos sem qualquer contemplações, devendo, sempre que necessário, contar com o apoio da população na denúncia dos infractores.

Lotti Nolika destacou a necessidade do reforço da actuação policial para o travar a tendência de aumento de crimes de exploração ilegal de minérios estratégicos do Estado e de recursos florestais em várias localidades da província.

"A população deve exemplar na luta contra as práticas ilícitas, através da participação à Polícia Nacional, principalmente quando se avistar com a destruição de bens públicos”, disse.

Noutra vertente, a governante apontou as eleições gerais, previstas para Agosto deste ano, como um dos principais desafios do efectivo da Polícia Nacional, cuja actuação deve continuar a ser de forma inteligente e profissional, para a manutenção da paz e consolidação da democracia.

Decorrido sob o lema, "Polícia Nacional de Angola, 46 anos na garantia da ordem, tranquilidade e segurança públicas”, o evento ficou marcado com a graduação de de 17 agentes a diversos graus, para além da integração do Estandarte Nacional, desfile de tropas em parada e demonstrações de técnica policial nas diversas especialidades.

A Polícia Nacional de Angola é uma força militarizada uniformizada e armada, com natureza de força de segurança pública, dotada de autonomia operacional, administrativa, financeira e patrimonial.

É o órgão do Ministério do Interior que tem por missão assegurar e defender a legalidade democrática, garantir a segurança pública e o exercício dos direitos e liberdades fundamentais dos cidadãos, manter a ordem e tranquilidade públicas, colaborar na execução da política de defesa nacional, nos termos da Constituição e da Lei.

A Polícia Nacional exerce a sua actividade em todo o território nacional, podendo exercer a sua missão fora do país, desde que legalmente orientada para o efeito.  


Desfile em parada do efectivo da Polícia Nacional © Fotografia por: Aurélio Janeiro (Angop)

Fonte: ANGOP