Cultura
25 Fevereiro de 2022 | 11h18

É a língua que sustenta a cultura: Virgílio Coelho

"Criação literária, edição e promoção do livro e da leitura em Angola" foi o tema que dominou a Quarta Conferência da Academia de Letras de Angola, realizada esta quinta-feira, 24.

Proferida pelo antropólogo e editor Virgílio Coelho com moderação do escritor Boaventura Cardoso, a quarta conferência da Academia de Letras de Angola, realizada via Zoom, contou com a participação de homens de Cultura e Letras de Angola, Arábia Saudita, Brasil, Estados Unidos, Inglaterra e Portugal.
Alicerçado na "língua que sustenta a cultura", o antropólogo Virgílio Coelho falou da sua infância e do contacto que manteve desde tenra idade, com o livro, a leitura e a escrita.
Já na adolescência, diz o antropólogo, que manteve sempre contacto com escritores na Liga Nacional Africana, o que despertou em si o hábito de adquirir livros.
Lamentou ainda o facto de as conservatórias terem herdado o tique colonial de escrever mal os nomes angolanos.
Convidado como editor neste mês em que a Academia de Letras de Angola debruçou-se sobre o livro e a leitura, Virgílio Coelho, deu a conhecer o percurso da sua editora (Kilombelombe), criada em 1992 e com 80 livros publicados. Obras como "Os nossos poetas, Investigação cientifica, Biblioteca Angolana de História e Cultura e Temas e debates são apenas alguns exemplos da vasta colecção da Kilombelombe.
Lamentou ainda sobre o facto de o ensino em Angola estar a perder qualidade, o que se reflecte na baixa qualidade dos quadros aqui formados.
Virgílio Coelho é antropólogo, escritor, jornalista e editor, com obra publicada e docente na Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto. Já foi galardoado com Prémio Nacional de Cultura  e Artes em 2010 e exerceu a função de Vice-Ministro da Cultura.
Na próxima conversa da Academia de Letras de Angola, marcada para 03 de Março o tema em debate será o "Presidencialismo angolano, cuja moderação vai contar com o jurista Raul  Araújo e também com a participação do jurista Esteves Hilário.
Como é hábito, a participação via Zoom estará aberta a todos os interessados em debater sobre o sistema de governo angolano, bastando para o qual acessar o ID: 6985716385 com a senha AAL2022. 

Autor: Leda Dombaxi

Fonte: AAL