Sociedade
14 Fevereiro de 2022 | 09h11

Chuvas desalojam centenas de pessoas

As fortes chuvas, acompanhadas de ventos, que se abateram, de forma ininterrupta, de 27 de Janeiro a 9 de Fevereiro deste ano, sobre o Cuando Cubango, causaram a destruição de 115 residências e o desalojamento de 575 pessoas, que aguardam apoio da Comissão Provincial de Protecção Civil e Bombeiros.

Em declarações ao Jornal de Angola, o porta-voz do Comando Provincial de Protecção Civil e Bombeiros, agente de segunda classe Albano Kutarica, explicou que, no período em balanço, as chuvas danificaram, também, 290 casas, afectando 2.045 pessoas, e inundaram três lavras, nos municípios de Menongue e Cuchi.

Segundo Albano Kutarica, estes dados são provisórios, estando efectivos do Comando Provincial de Protecção Civil e Bombeiros a trabalhar na recolha de informações nos nove municípios que compõem o Cuando Cubango.

Apontou que, neste momento, os municípios mais afectados pelas chuvas são o de Menongue (nos bairros Jubileu, Aerovia, Terra Nova, Benfica e Novo), Mavinga, Cuito Cuanavale, Cuangar, Calai, Dirico e Cuchi.

Informou que se as chuvas continuarem a cair com muita frequência, tal como aconteceu de 27 de Janeiro a 9 de Fevereiro, podem provocar, também, o transbordo do rio Cubango, no corredor dos municípios do Cuangar, Calai e Dirico.

Fez saber que, desde o início da época chuvosa na província, em Novembro de 2021, nove pessoas morreram vítimas de descargas eléctricas, sendo cinco no município de Menongue, três em Mavinga e uma no Calai.    

Realçou que os efectivos do Comando Provincial de Protecção Civil e Bombeiros reforçaram, nos últimos dias, o trabalho de sensibilização da população, sobretudo da que vive em zonas de risco, para redobrar as medidas de segurança, devido às fortes chuvas que se abatem sobre o Cuando Cubango. Albano Kutarica apelou aos pais a duplicarem os cuidados com as crianças, evitando que brinquem em rios, bacias de retenção de água e em locais com  fios de de energia eléctrica.

Fonte: JA