Política
14 Janeiro de 2022 | 11h06

Angola aborda constrangimentos da linha de crédito da Alemanha

O Grupo Técnico Empresarial, reunido quinta-feira (13), em Luanda, com o ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, recomendou a diminuição das garantias entre 50 e 70%, de acordo com os riscos inerentes, avaliação da

possibilidade de renegociação das taxas de juro e capital do período de carência e encontrar uma solução para as dívidas dos empresários registados na Central de Informação de Risco de Crédito, principalmente os que têm projectos em esforço.

Por orientação do Presidente da República e Titular do Poder Executivo, o ministro de Estado para a Coordenação Económica esteve com os líderes empresariais, enquadrados no Grupo Técnico Empresarial (GTE), para abordar os constrangimentos ligados ao funcionamento da linha de crédito da Alemanha.

Na reunião, onde estiveram presentes o ministro da Economia e Planeamento, o secretário de Estado das Finanças e Tesouro, o vice-governador do Banco Nacional de Angola e administradores do BDA, analisou-se com profundidade os mecanismos que permitirão facilitar a utilização da linha de crédito do Deutsche Bank, visando a necessidade de um maior apoio à economia.

Das conclusões da reunião, a que o Jornal de Angola teve acesso, decidiu-se que se estude com urgência os projectos já submetidos ao BDA no âmbito da referida linha de crédito e que se avalie o financiamento do down payment dos projectos através do Fundo Activo de Capital de Risco Angolano (FACRA).

Foi pedido ao Grupo Técnico Empresarial para continuar a trabalhar em parceria com as instituições do Executivo no sentido de se encontrar as melhores soluções para os problemas apresentados.

Fonte: JA