COVID-19
26 Julho de 2021 | 14h55

Cuba passou de oito mil casos de Covid-19 em um dia

Pela primeira vez desde a chegada da pandemia a Cuba, esta nação caribenha superou 8.000 casos de contágio com o coronavírus SARS-CoV-2 em 24 horas, informaram ontem autoridades sanitárias.

Em aparição na televisão, o diretor nacional de Epidemiologia, Francisco Durán, confirmou a detecção de 8.853 pacientes com o vírus, causador do Covid-19, e a morte de 80 pessoas por complicações dessa doença.

Ele ressaltou que a situação epidemiológica está se tornando cada vez mais complexa devido à circulação de variantes como a delta, enquanto o maior número de pacientes é produto de transmissão autóctone, fonte de infecção de 8.837 positivos, enquanto 16 são importados.

A ilha caribenha chegou assim a um total de 332.968 confirmados com o SARS-CoV-2 desde 11 de março de 2020 e 2.351 óbitos.

O especialista explicou que permanecem internadas 60.567 pessoas, tanto em instituições hospitalares como nas suas casas, das quais 14.864 suspeitos; 3.456 sob vigilância e 42.147 com o vírus ativo.

Até o momento, 41.788 apresentam evolução clínica estável; enquanto 153 são críticos e 206 sérios.

Durán fez um alerta sobre o alto número de pacientes pediátricos, que hoje chegam a 1.537, e os maiores números nessa faixa etária são registrados todos os dias. Somente nos últimos 15 dias, 17.701 bebês foram diagnosticados.

Nas últimas horas, 6.147 pacientes tiveram alta e o total de recuperados subiu para 288.414, 86,6 por cento de todos os confirmados em Cuba com o coronavírus.

O mês de julho ultrapassou junho em 88.401 infectados e 712 mais mortes, disse Durán.

Para a detecção do coronavírus, foram estudadas 56.424 amostras na véspera e na ilha foram analisados ​​um total de 6.208.857 testes.

Referindo-se ao andamento do processo de imunização com a candidata Soberana 02 e a vacina Abdala, o especialista informou que foram administradas 8.804.553 doses desses produtos até o dia 23.

No total, 2.390.225 cubanos já contam com o esquema completo de imunização, o que representa 21,3% dos habitantes do país; enquanto 31% (3.473.316) têm a primeira dose.

Os dados incluem as diferentes modalidades aplicadas, como ensaios clínicos, estudos de intervenção e intervenção em saúde.

Fonte: Prensa Latina