COVID-19
30 Junho de 2021 | 08h36

Inflamação no coração em militares vacinados é maior do que se esperava

Segundo um estudo divulgado esta terça-feira no jornal médico JAMA Cardiology e citado pela Reuters, os militares dos EUA que foram vacinados contra a Covid-19 apresentaram taxas de inflamação no coração mais elevadas do que o esperado.

O estudo descobriu que 23 homens previamente saudáveis, com uma idade média de 25 anos, queixaram-se de dor no peito quatro dias após receberem a vacina. De acordo com a Reuters, todos os pacientes, que no momento da publicação do estudo haviam recuperado ou estavam a recuperar de miocardite - uma inflamação do músculo cardíaco - receberam injeções da Pfizer ou Moderna.

As autoridades de saúde dos EUA procuram sinalizar o raro risco de inflamação do coração visto principalmente em jovens do sexo masculino após as vacinas de mRNA.

Um painel externo de especialistas que aconselha o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, disse na semana passada que os relatos de miocardite foram maiores em homens e na semana após a segunda dose da vacina do que seria previsto na população em geral. Segundo os mesmos, a doença cardíaca aumentou a uma taxa de cerca de 12,6 casos por milhão de pessoas vacinadas.

Fonte: NM