COVID-19
29 Junho de 2021 | 11h47

Delta provoca aumento de contágios na África do Sul

A variante Delta, altamente contagiosa, é responsável pelo aumento acentuado dos contágios por Covid-19 na África do Sul, disseram cientistas, enquanto o Governo considera a adopção de mais restrições.

País mais afectado do continente, a África do Sul registou 18.762 novos casos no último domingo, o número mais alto deste ano. No total, quase 1,9 milhões de pessoas foram infectadas, registando-se mais de 59.620 mortos, para uma população de 58 milhões.

O país está a sofrer o impacto de uma terceira vaga, que está a colocar à prova um sistema de saúde frágil.

"Entramos numa fase exponencial da pandemia, com números que estão a aumentar muito, muito rapidamente, e que continuarão a aumentar por várias semanas”, alertou Túlio de Oliveira, um dos maiores especialistas em virologia do país.
A variante Delta, detectada pela primeira vez na Índia, "parece estar agora a dominar as infecções na África do Sul”, acrescentou o especialista, em conferência de imprensa.

Para travar a disseminação desta variante, o país vai "tomar medidas restritivas com urgência”, afirmou Koleka Mlisana, responsável de um comité científico que assessora o Governo sobre a pandemia.

O Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, já havia intensificado as medidas de combate ao novo coronavírus em meados de Junho, alargando o toque de recolher obrigatório e impondo controlos mais rígidos sobre a venda de álcool.

Com quase 60% do número total de infecções, Gauteng, o pulmão económico e a província mais populosa do país, onde fica a capital administrativa, Pretória, e o centro financeiro de Joanesburgo, é o actual epicentro da epidemia.
Os hospitais estão já numa situação difícil e as autoridades de saúde começaram a transportar os pacientes para áreas menos afectadas. A campanha de vacinação começou com dificuldades, em Fevereiro, e apenas 2,4 milhões de pessoas já foram totalmente vacinadas.

Identificada pela primeira vez na Índia, onde se espalhou a partir de Abril, a variante Delta está agora presente em pelo menos 85 países, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Testes

A Universidade de Oxford e a AstraZeneca começaram a testar em voluntários uma vacina contra a variante Beta do novo coronavírus, detectada na África do Sul.

Em comunicado, a Oxford adiantou que vão ser recrutados 2.250 participantes no Reino Unido, África do Sul, Brasil e Polónia, no âmbito das fases II e III do ensaio clínico em seres humanos, cujos dados devem ser revelados ainda este ano.

Fonte: JA