COVID-19
25 Junho de 2021 | 10h50

Variante Delta impulsiona a terceira vaga em África

A variante Delta, predominante na segunda vaga de infecções pelo novo coronavírus na Índia, foi detectada em 14 países africanos e está a impulsionar uma terceira vaga de infecções por Covid-19 no continente, alertou ontem a OMS.

"Uma mistura de fadiga e novas variantes está a impulsionar esta onda. A variante Delta, que dominou a segunda vaga da Índia, foi reportada em 14 países e detectada na maioria das amostras sequenciadas no último mês na República Democrática do Congo (RDC) e no Uganda", disse a directora regional para África da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Matshidiso Moeti, que falava a partir de Brazzaville, na conferência de imprensa semanal sobre a evolução da pandemia de Covid-19 no continente, lembrou que a Covid-19 já causou quase 140 mil mortes em África, que regista mais de 5,3 milhões de casos de infecção pelo novo coronavírus.

"A terceira vaga está a ganhar velocidade, espalhando-se mais rapidamente, e atingindo (os países) com mais força", afirmou, considerando o actual cenário "incrivelmente preocupante".

"Com o rápido aumento do número de casos e de relatos de doenças graves, esta nova vaga ameaça ser a pior de África até agora", alertou.

A responsável da OMS considerou que "África ainda pode atenuar o impacto destas infecções em rápido crescimento", mas, advertiu, "a janela de oportunidade está a fechar-se".

Neste sentido, sublinhou o apelo urgente para acelerar a vacinação e a necessidade de as populações continuarem a manter medidas de saúde pública que evitem a propagação da doença.
"África precisa urgentemente de mais milhões de vacinas. Precisamos de um 'sprint', não de uma maratona, para proteger rapidamente aqueles que enfrentam os maiores riscos. Os casos de Covid-19 estão a ultrapassar as vacinações, deixando cada vez mais pessoas perigosamente expostas", frisou.
Matshidiso Moeti criticou os países que estão a dispensar os períodos de quarentena a quem tem certificado de vacinação, considerando que tal irá acentuar as desigualdades.

"Pelo menos 16 países estão a renunciar à quarentena para aqueles que possuem um certificado de vacinação. Embora seja importante proteger as fronteiras e impedir a propagação da Covid-19, deve ser equitativo. Os africanos não devem enfrentar mais restrições porque não podem ter acesso às vacinas", advogou.

"Fazer da prova de vacinação um pré-requisito para as viagens pode aprofundar as desigualdades, particularmente enquanto as vacinas continuarem com tão escasso fornecimento", sublinhou.


Fonte: JA